sábado, 23 de julho de 2011

RECORDAÇÃO


Acampamento, provisório,  dos militares do Batalhão de Caçadores 598. Novembro de 1964, em missão de reconhecimento de toda a zona, compreendida, desde o Cobué, passando pelo Rio Lunho, Nova Coimbra, Metangula, Maniamba, Meponda-Vila Cabral, antigo distrito do Niassa. Hoje provincia do Niassa.  A norte de Moçambique. Atenção o que estamos a ver na imagem. Fazia parte dos exercícios de defesa pessoal. Neste caso trata-se, apenas, de uma brincadeira. Nada de agrassões. Aquele que tem a catana na mão sou eu, o Eduardo.

terça-feira, 19 de julho de 2011

O LUTO.

                   CATARINA EUFÉMIA

                 Na terra ensanguentada,
               Com o sangue de Catarina
           Camponesa, tua voz  foi calada
                  Por uma bala disparada
                  De uma arma assassina
           Por causa de uma politica cega
                  Era o povo aporrinhado
     De Baleizão, para S. Bento, não  arreda
                 Porque Salazar o proibiu
       Sem saber de que lada vinha o vento
             Também o povo nunca ouviu
                 Em silêncio continuaram
                 O que Catarina começou
      Seu sangue, ficou, na terra derramado
             Quando no campo a trabalhar
                Contra a miséria que havia
                       Catarina protestou
 Pela repressão era ameaçada, Catarina sabia
         Pela sua morte, Baleizão se enlutou.

domingo, 17 de julho de 2011

LIBERDADAE

  Foi a pensar, no passado, no presente e no futuro,
                        Que escrevi este poema
                              Nasci no Alentejo
                       Próximo de Vila Morena
                        Onde o Sol mais queima
                    Sem, sua chama, fumo deitar
            Foi a canção de Grândula Vila Morena
                                De madrugada
                         Quando o povo acordou
                      Quase não queria acreditar
                       Foi a liberdade que chegou
         Veio o povo para a rua, de alegria a chorar
E Zéca Afonso se ouvia a canção da liberdade cantar.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

A PULGA "NÓMADA".

                   O Artur  me  deu o mote
                    Para quadras escrever
                Da pulga que saiu do bigote
     Para na cuequinha da garota se esconder
                 Mas, uma língua "atrevida"?
                           A foi perturbar
                    Mas,  o bigote interveio
                      E consigo a foi levar
                      A pulga descontente
              No rabo de um boi se protegeu
              Uma vaca gulosa,  o foi lamber
                         E a pulga engoliu
                     A vaca estava prenha
                  Sua cria  prestes a nascer
                      Quando a vaca pariu
                        A pulga apareceu
                         Ao parto assistiu
        Sem que, antes contasse, tudo o que viu
                    Coitada da pulga morreu.

domingo, 10 de julho de 2011

UM SEMANA DE MALUCOS?

O mundo está cada vez menos normal, e estamos de olho nos doidões que aparecem por aí.
Todas as semanas são recheadas de gente esquisita, mas essa teve alguns retoques especiais.
Prisões, processos, invenções. Tudo com aquele tempero estranho que a gente tanto gosta. E o mundo está realmente cada vez mais pirado. Policias que mostram a "Pistola" em serviço, velhinhas bandidas que formam uma gangue da terceira idade, malucos que inventam preservativos para gente bêbada. A coisa está feia! Só para cmpletar uma semana lotada de esquisitices, ainda tivemos uma Sexta-feira 13. Está todo mundo bem? sobreviveram?
Para todos desejo um domingo muito feliz. Na praia, no campo, em passeio de barco, de avião ou de carro, de férias,  qualquer que seja a situação. Em vez de esquisitices, umas boas maluquices para ajudar a esquecer as trapalhices!...

terça-feira, 5 de julho de 2011

MILITAR, PARA SUA PÁTRIA DEFENDER!

                           Aquele lugar onde nasci
                             Lá gostaria de morrer
                            Tenho andado a pensar
                              Penso, mas, não digo
                              No lugar onde resido
                              Nasci para trabalhar
                              Também para sofrer
                           Não nasci para explorar
                                 Nasci para viver
                          Sou feliz por, saber, amar
                            Justas causas defender
                          Pela minha Pátria fui lutar
                     Estou feliz por continuar a viver.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

A VERDADE E A MENTIRA!

                       Quem na verdade não acredita,
                           Com a mentira vive iludido
                          Da liberdade mais longe fica
                       Porque anda no mundo perdido
                             Se a mentira faz sentido
                       Da verdade ninguém quer saber
                            Continua a ser perseguido
                              Sem nada de mal fazer
                         Com a liberdade vai dizendo
                              O que sente a escrever
                         Quando acreditar na verdade
                              Muito tarde poderá ser

CANCIONEIRO DO NIASSA

IMAGENS DO NOSSO CONVÍVIO, EM 08/10/2011.

IMAGENS DO CONVÍVIO REALIZADO DIA 9 DE OUTUBRO DE 2010