terça-feira, 25 de novembro de 2014

"O MELRO NA GAIOLA"

Detido,  não terá feito coisa boa!
foi um ex-primeiro-ministro deste país
ao sair do avião, no aeroporto de Lisboa
quando regressava de Paris...

Das asas de um melro,
terão caído penas no chão
no caminho para o inferno
foi aberto um buracão.

Com ou sem batota,
não apresentou para se defender
 argumentos justificativos por agora
venham cidadãos, honestos, ver
 um melro dentro da gaiola.

As mágoas fazem doer,
não se deve negar uma esmola
nas dos outros as mãos foi meter 
para mais encher a sua sacola.

Aguenta que é serviço,
foi picado por um passarão
no "Caso Marquês" foi detido
por suspeitas de corrupção.

Na compra dos submarinos,
por corrupção não foram detidos
 no governo estão bem protegidos
esses são os melros mais finos!
(Eduardo Maria Nunes)

domingo, 23 de novembro de 2014

"O MELRO"

Há quem diga que sim,
há quem diga que não
as flores no jardim
na algibeira o pião
há quem não tenha
 sobre a peia opinião
duma vaca prenha
 bezerro vai nascer
no poço a azenha
tira água para beber
também lá na horta
rega o tomateiro
ao dar a cambalhota
ficou dorido o cagueiro
foi apanhar a maçaroca
assustou o espantalho
numa estrada muita torta
encontrou um dente d'alho
com as cartas fez batota
transportado no cangalho
ficou preso lá na teia
vai haver estardalhaço
muita água causam cheias
agora é que irão ser elas
como irá descalçar as meias
 a falar pelos cotovelos
afugentaram as arvéolas
armaram as esparrelas
para apanhar os melros
da rosa caíram pétalas
fecharam portas e janelas
deixaram acesos os candeeiros
para iluminar os tagarelas.
(Eduardo Maria Nunes)

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

"VIAGEM SÓ DE IDA"

O homem, nas estrelas!
não terá com quem lutar
 não mais haverão asneiras
quando o mundo acabar?
Porquanto, não quer amar
tem mais jeito para a guerra
pensa  até ser o dono do mar
desprezando a vida tão bela.
Na terra ficam lágrimas caídas,
quando partir para a eternidade
nas páginas dos fastos escritas
deixa palavras de saudade.
Dos olhos de quem chora
uma triste despedida
quem parte, mais não volta
pelo que sofreu e fez sofrer
regressar ao ponto de partida
 jamais poderá acontecer
numa viagem só de ida!
(Eduardo Maria Nunes)

domingo, 16 de novembro de 2014

"DOA, A QUEM DEVE DOER"

Terá, ilustre viajante português!
inventado os planos de nova batota
a vender vistos dourados, talvez
 alguém vá passar férias na chocha?

Alguns detentores de altos cargos,
querem mais do que lhe pertence, ter
pelos factos já estão a ser interrogados
faça-se justiça doa a quem deve doer!
(Eduardo Maria Nunes)

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

"A POLÍTICA E A LEGIONELLA"

Faz mais falta chover no mar, do que o ministro do ambiente em Portugal, o qual  nada faz em benefício daqueles cujo o dinheiro dos seus impostos são para lhe pagarem um volumoso ordenado ao fim de cada mês, catorze vezes por ano. Não seria mais proveitoso a prevenção e a manutenção do equipamento, do que e depois do mal feito aplicar aos infractores coimas despropositadas? Porque se antes tivessem sido tomadas as medidas necessárias para evitar o que aconteceu, não teria acontecido aqui no Concelho de Vila Franca de Xira, a legionella, a qual já causou mais de meia dúzia de vítimas mortais. Tudo isso poderia ter sido evitado, se os responsáveis menos pensassem nos lucros e se preocupassem mais no bem estar das populações. Estamos entregues e expostos a uma classe de políticos que só pensam em eleições e acusarem-se uns aos outros, em vez de fazerem o trabalho de casa, como disse um dos mais responsáveis políticos, por muito do que de mal nos tem acontecido!

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

"DE SANGUE E LÁGRIMAS"

 Um país, antes, colorido,
coberto com nuvem cinzenta
contra quem nos atormenta
de revolta atroante grito!

 Mais uma condecoração, 
condecorado desertor vil
mui nobre valente Nação
Pátria Mãe, tão, Gentil!
(Eduardo Maria Nunes)

sábado, 1 de novembro de 2014

"ABACATEIRO"

 Aqui na quinta, há um abacateiro!
entre as folhas tem verdes abacates
o que faz com o baralho de cartas o batoteiro
para no jogo de lerpa ter um ou mais ases,
é o que mais tem feito e faz o governo
uns após outros muitos disparates.
Com os cortes, faz ameaças
se primeiro-ministro continuar
para mais aumentar as desgraças
se o povo adormecido não acordar.
Empurra-nos para o dilúvio
em fez de lá nos tirar
atrás de um vem outro intruso
para, ainda, mais nos afundar!
(Eduardo Maria Nunes)

CANCIONEIRO DO NIASSA

IMAGENS DO NOSSO CONVÍVIO, EM 08/10/2011.

IMAGENS DO CONVÍVIO REALIZADO DIA 9 DE OUTUBRO DE 2010