quinta-feira, 22 de julho de 2010

ANO DE 1965, NO AQUARTELAMENTO DO EXÉRCITO EM METANGULA.

Ex-1º. cabo João António Coqueiro Vinagre,  no aquartelamento do Exército, em Metangula, quando saboreava um bom e apetitoso prato de sopa, junto da porta de  entrada da camarata. Do seu lado esquerdo, no interior, estamos a ver as confortáveis camas. Pode parecer irónico ao fazer estas afirmações, mas para   quem  durante mais de três meses não soube o que era dormir numa cama, não o é. Aqui por  falta de espaço ficava uma por cima da outra, sendo rés-do-chão e primeiro andar.  Melhor que dormir no chão, tendo,  como colchão,  uma lona  para o corpo não ficar em contacto com a terra.

4 comentários:

  1. Quando levava a colher à boca parecia estar indeciso, com o que estava a comer, será que não tinha confiança nos nossos cozinheiros?
    Se eles não faziam melhor é porque não tinham os meios necessários para confeccionar as alimentos.
    Portanto, não os incriminar.

    ResponderEliminar
  2. Se calhar o Joäo Vinagre tinha andado alguns dias a raçäo de combate e a sopinha até lhe estava a saber a bife

    ResponderEliminar
  3. Bife naquele tempo era palavra proibida, pelo menos, para os elementos do Batalhaõ de Caçadores 598. Feijão, com massa, acompanhado de algumas rodelas de chouriço e nada mau.
    Mas é como dizes amigo Bergano, certamente, o nosso amigo Vinagre,
    estaria a pensar em um bom bife.
    Só ele o pode esclarecer!

    ResponderEliminar
  4. Bifes?...só em sonhos meus caros amigos!...em Metangula, e para além das "saborosas" e muito "apreciadas" rações, tinhamos uma "ementa" muito variada... cavala com arroz e...
    .... arroz com cavala!..
    Só punhas o dente numa amostra de carne quando os fulizeiros, por compaixão, nos davam uns "pedacitos" de carne de vaca, que a eles nunca faltava.
    Às vezes, lá se conseguia fazer uma caldeirada de peixe quando,à sucapa, se lançavam algumas granadas para o lago e, outras uma chanfana quando conseguiamos atropelar uma cabra, das muitas que os fuzileiros tinham recolhido junto das povoações abandonadas.
    As batidas eram feitas com jeeps que eu conduzia em "testes" e também com a ajuda da "Lassie" do Tony.
    Os cozinheiros não podiam fazer milagres, face às carências provocadas pelo isolamento em que estavamos e também pela ganância do Presidente do Conselho Administrativo que "aforrilhava" demais e que, à partida, até se esqueceu de uma caixa com algumas centenas de contos que foi encontrada pelo furriel mecânico do Batalhão que nos rendeu e que eu conheço muito bem.
    Saudações amigas

    ResponderEliminar

CANCIONEIRO DO NIASSA

IMAGENS DO NOSSO CONVÍVIO, EM 08/10/2011.

IMAGENS DO CONVÍVIO REALIZADO DIA 9 DE OUTUBRO DE 2010