segunda-feira, 6 de junho de 2016

"À SOMBRA DA BANANEIRA"

À calma desabrigado,
sem do sol me proteger
 fui pastor, guardei gado
 o tempo passa a correr!

Lá não havia azinheira,
em Vila Cabral no passado
foi à sombra da bananeira
não à sombra do chaparro.

Nos arredores de Vila Cabral,
vejam como estava equipado
 para me proteger do temporal
o qual, sempre tão indesejado.

Quantos anos já lá vão,
 penso não ser preciso dizer
para comer sempre tem pão
 o padeiro quando quiser.

 Na tropa, soldado sapador,
era essa a minha especialização
sempre dos deveres cumpridor
fui para a padaria fazer pão!

Foi p´lo bem da Nação,
Ditosa, amada quem me dera
contra a penosa condição
de quem trabalhava na terra.

De Lisboa levei um empurrão,
até parar em Lourenço Marques
bastante mal aconchegado no porão
por culpa de quem fez disparates.

Só mesmo o chão duro,
é pior do que um catre vil,
sem colchão para o corpanzil
tinha esperanças no futuro.

Tanto fazia doer as costas,
como perturbava mais sono
vendiam pescada às postas
os pescadores do engano.

Com alegria para o povo,
foi a liberdade que chegou
de um momento para o outro
numa só noite tudo mudou!
(Edumanes)

1 comentário:

  1. Olá Edu!
    Que lindeza de poema.
    Quantas memórias!
    Adorei a foto. Realmente tudo muda.
    Abraço e ótima semana!

    ResponderEliminar

CANCIONEIRO DO NIASSA

IMAGENS DO NOSSO CONVÍVIO, EM 08/10/2011.

IMAGENS DO CONVÍVIO REALIZADO DIA 9 DE OUTUBRO DE 2010