quarta-feira, 29 de junho de 2016

"AQUELA PONTE"

Onde não havia paz,
prosperava a guerra
com uma moto-serra
picaretos, enxadas e pás.

Do Batalhão de Caçadores 598,
 a acantonar junto do Rio Lunho,
éramos menos do que trinta e oito
o pelotão de sapadores foi pioneiro,
fomos para lá sem enxó nem cunho
no ano de 1965,  mês de Janeiro,

Munidos duma moto-serra,
para aquela ponte reconstruir
quem mandava assim quisera
sem inteligência para decidir.

Fizeram-se muitos disparates,
do comandante, foi mais uma asneira
 com uma moto-serra para cortar árvores
sem plaina, para aplainar a madeira.

Logo a moto-serra avariou,
mãos às enxadas e picaretos
 as dificuldades foram tantas
mais valia termos ficado quedos
porque, a chuva não nos deixou
de acesso construir as rampas!
(Edumanes)

segunda-feira, 6 de junho de 2016

"À SOMBRA DA BANANEIRA"

À calma desabrigado,
sem do sol me proteger
 fui pastor, guardei gado
 o tempo passa a correr!

Lá não havia azinheira,
em Vila Cabral no passado
foi à sombra da bananeira
não à sombra do chaparro.

Nos arredores de Vila Cabral,
vejam como estava equipado
 para me proteger do temporal
o qual, sempre tão indesejado.

Quantos anos já lá vão,
 penso não ser preciso dizer
para comer sempre tem pão
 o padeiro quando quiser.

 Na tropa, soldado sapador,
era essa a minha especialização
sempre dos deveres cumpridor
fui para a padaria fazer pão!

Foi p´lo bem da Nação,
Ditosa, amada quem me dera
contra a penosa condição
de quem trabalhava na terra.

De Lisboa levei um empurrão,
até parar em Lourenço Marques
bastante mal aconchegado no porão
por culpa de quem fez disparates.

Só mesmo o chão duro,
é pior do que um catre vil,
sem colchão para o corpanzil
tinha esperanças no futuro.

Tanto fazia doer as costas,
como perturbava mais sono
vendiam pescada às postas
os pescadores do engano.

Com alegria para o povo,
foi a liberdade que chegou
de um momento para o outro
numa só noite tudo mudou!
(Edumanes)

terça-feira, 24 de maio de 2016

"IMAGEM DO REFEITÓRIO CAMPAL"

Voltando atrás no tempo,
para o Rio Lunho recordar
junto dele bem me lembro
cumprindo o serviço militar!

Os generais não corriam perigo,
a guerra era uma mina atulhada em ouro
estavam bem protegidos lá no seu abrigo
as comissões em África para eles era gozo.

O Rio Lunho foi considerado,
mais tarde, Estado de Minas Gerais
 nos gabinetes faziam a guerra os generais
 para os soldados a combaterem no mato.

Até tenho saudades desse tempo,
mas, não da guerra, porque matava
da juventude que foi levada pelo vento
nunca mais por mim foi encontrada!
(Edumanes)

CANCIONEIRO DO NIASSA

IMAGENS DO NOSSO CONVÍVIO, EM 08/10/2011.

IMAGENS DO CONVÍVIO REALIZADO DIA 9 DE OUTUBRO DE 2010