domingo, 25 de maio de 2014

"ÁGUA TURVA"

Quando a água turva clareia! 
do regato se pode ver o fundo
para quem tem a barriga cheia
este é o maravilhoso mundo.

Quem na terra semeia...
das sementes colhe os frutos
na praia com a maré cheia
deram à costa os besugos.

Cada vez mais esfarrapados,
os desprotegidos sem roupão
fazem-se os queijos dos coalhos
saborosos em qualquer ocasião!
(Eduardo Maria Nunes)

6 comentários:

  1. Poema com sombras politicas
    Palavras turvas e sujas
    Carregadas de interesses
    Clareiam? Não sei. Há bruxas
    Há muitas palavra omissas.

    ResponderEliminar
  2. É isso aí amigo! tempero para comida de pobre é a fome. Quanto mais fome sentir, mais saborosa fica a comida. Belo poema amigo!

    Abraços e uma ótima semana para ti e para os teus.

    Furtado.

    ResponderEliminar
  3. Em Portugal as águas continuam muito turvas, não se vê a ponta dum corno!

    ResponderEliminar
  4. Não se vê a ponta de um corno!
    Vê-se o corno todo inteiro
    contra a sua vontade o povo
    tem que obedecer ao manageiro...

    ResponderEliminar
  5. Parecia-me a 'água' do queijo, mas antes falas de politica.
    Sei das tuas preocupações, espero que tenha votado e que Portugal tome rumo. Já vai sendo tempo.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Como as águas daí, as daqui continuam turvas e não há indícios de que vão clarear.
    Abração.

    ResponderEliminar

CANCIONEIRO DO NIASSA

IMAGENS DO NOSSO CONVÍVIO, EM 08/10/2011.

IMAGENS DO CONVÍVIO REALIZADO DIA 9 DE OUTUBRO DE 2010