quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

1º. ANIVERSÁRIO DO BATALHÃO DE CAÇADORES 598, EM VILA CABRAL

                   VERSOS DO BATALHÃO DE CAÇADORES 598

As quadras que se seguem, são da autoria de alguns Furriéis Milicianos, que lhe chamaram a si próprios "OS CONTENTES". Fizeram para a inauguração da messe dos sargentos, a qual coincidiu com a passagem do nosso 1º. aniversário, em Vila Cabral. No ano de 1964. Tendo havido discurso de "pompa e circunstância", tal como uma foto documenta, e na outra vêem-se também muitos furriéis  da companhia de caçadores 612.

                                              I
                             Depois de muito penarmos
                             Pelos quarteis de Portugal
                                Nós viemos exilados
                               Aqui para Vila Cabral.

                                              II
                             Chegamos cá numa noite
                              Sem nenhum ar marcial
                              Era para aí sete e picos
                           Oito e coisa nove e tal ( Bis

                                             III
                                A cidade é pequena
                              O quartel é menos mal
                              A alvorada muito cedo
                            Que o ar frio faz-nos mal.

                                             IV
                            Ficava-mos mais contentes
                            Se o toque mudasse afinal
                              Aí para as sete e picos
                            Oito e coisa nove e tal (Bis

                                             V
                           Quando tocar para o rancho
                                Lá na hora do almoço
                               Corre para a formatura
                              Se não levas um reforço.

                                            VI
                             Porque o nosso Primeiro
                               Com alegria sem rival
                            Só dá mais de sete e picos
                            Oito e coisa nove e tal (Bis

                                           VII
                              Ao princípio foi difícil
                             Mas já passou esse mal
                           Não sabia-mos o que fazer
                             Mas que importa afinal.

                                          VIII
                               O serviço era muito
                              O horário estava mal
                        Com a entrada às sete e picos
                          Oito e coisa nove e tal  (Bis

                                           IX
                           O trabalho era maningue
                               E a confusão total
                          Com prevenções seguidas
                           Por ordem do G..............

                                           X
                           O dia inteiro no quartel
                              Que chatice bestial
                          A ordem às sete e picos
                        Oito e coisa nove e tal (Bis

                                           XI
                          Os dias vão se passando
                         Mas com grande trabalhão
                        Há para aí alguém contente
                            A maltinha é que não.

                                          XII
                             Já um ano se passou
                               Com alegria geral
                           Já ó faltam sete e picos
                        Oito e coisa nove e tal (Bis

                                          XIII
                            À chegada do correio
                             È uma coisa colossal
                         Tudo deixa o seu trabalho
                       Para ir para a  Secção postal.

                                          XIV
                            A vingança foi terrível
                           Às onze e meia, que tal?
                          Não o lês às sete e picos
                         Oito e coisa nove e tal (Bis

                                          XV
                   Para escrever-mos um bate-estradas
                            Ou um aéreo - pedal
                           È preciso ser bonzinho
                             Ser um gajo bestial.

                                         XVI
                       Mas num só dia há que escreva
                             Com ar mais natural
                         Para cima de sete e picos
                        Oito e coisa nove e tal (Bis

                                        XVII
                         Nos bate - estradas azuis
                              Foi razia sem igual
                          Pois já não poden seguir
                            Para nossa terra natal.

                                       XVIII
                           Pedimos dos amarelos
                          Ao Movimento Nacional
                         Só mandaram sete e picos
                         Oito e coisa nove e tal (Bis

                                        XIX
                         Aquilo que aqui dissemos
                        Que ninguém o leve a mal
                           Pois foi só para animar
                             A festa aniversarial.

                                        XX
                        Para o ano vamos embora
                            Aqui de Vila Cabral
                          A cantar o sete e picos
                        Oito e coisa nove e tal(Bis

                                       FIM
                             "OS CONTENTES."
            Gentilmente, enviado pelo ex-furriel miliciano
                           Joaquim Martins Leiras.

Sem comentários:

Enviar um comentário

CANCIONEIRO DO NIASSA

IMAGENS DO NOSSO CONVÍVIO, EM 08/10/2011.

IMAGENS DO CONVÍVIO REALIZADO DIA 9 DE OUTUBRO DE 2010